Saúde

Um número cada vez maior de médicos, nutricionistas e atletas profissionais recomendam uma dieta à base de plantas como a melhor forma de alimentar e proteger os nossos corpos. Esta mudança é baseada em pesquisas extensivas que estabeleceram uma ligação entre a dieta vegana e taxas mais baixas de obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro.

O padrão alimentar ocidental

Além de conter óleos e açúcares refinados, a dieta ocidental é tipicamente rica em carne, ovos e lacticínios e é pobre em frutas, vegetais e cereais integrais. Como resultado, assistimos a uma crise crescente de doenças crónicas, entre as quais algumas das maiores causas de morte do mundo.

Obesidade

A obesidade é uma condição grave que limita e ameaça a vida e que torna mais prováveis tanto as doenças cardiovasculares quanto os acidentes vasculares cerebrais. Mais de 38% dos americanos, 28% dos australianos, 25% dos britânicos1 e mais de 22% dos portugueses são obesos.

Optar por uma dieta à base de plantas pode ser mais eficaz do que uma dieta normal com baixo teor de gordura na gestão do peso corporal.2 Estudos têm mostrado que os vegetarianos têm tendência a ser mais magros do que os consumidores de carne, enquanto os veganos aparentam ter o Índice de Massa Corporal mais baixo de todos.3

Doenças Cardiovasculares

A doença cardiovascular é a causa número um de mortes em todo o mundo4 e os produtos de origem animal são uma parte significativa do problema. Estes produtos contêm os veganos parecem ter menos risco de diabetes” for “os veganos parecem ter um risco menor de desenvolver diabetes o nosso risco de desenvolver uma doença desta natureza. Por outro lado, a maioria das plantas é pobre em gordura saturada e não contém qualquer colesterol e, por isso, uma dieta rica em produtos vegetais como cereais integrais, leguminosas, oleaginosas, frutas e vegetais pode ajudar a reduzir o colesterol no sangue e proporcionar saúde para o coração.5

Cancro

Estima-se que a ingestão insuficiente de frutas e vegetais provoque cerca de 14 por cento das mortes por cancro gastrointestinal em todo o mundo.6 Mas não é apenas a ingestão insuficiente de alimentos vegetais que provoca o cancro; é a ingestão de carne. Em 2015, a Organização Mundial da Saúde anunciou que dispunha de evidências suficientes de estudos epidemiológicos para classificar a carne processada como cancerígena para seres humanos, Grupo 1.Esta categoria é usada quando existem evidências convincentes de que o agente em causa provoca, de facto, cancro. Neste caso, foi determinado que comer carne processada provoca cancro colorrectal e estabeleceu-se também uma associação com cancro do estômago. A carne vermelha foi também classificada no Grupo 2A, o que significa que é “provavelmente cancerígena” para o ser humano. A evidência mais forte para uma associação com a ingestão de carne vermelha é a de cancro colorrectal. Existem também indícios de ligações com o cancro do pâncreas e o cancro da próstata.

Diabetes tipo 2

O diabetes tipo 2 é uma condição potencialmente devastadora e, no entanto, na maioria das pessoas, pode ser prevenido, controlado ou mesmo revertido através de simples mudanças no estilo de vida.8

“Alimentos à base de plantas, particularmente frutas e vegetais, oleaginosas, leguminosas e sementes, têm demonstrado ajudar no tratamento de muitas doenças crónicas e estão frequentemente associados a taxas mais baixas de diabetes tipo 2, menor hipertensão, níveis mais baixos de colesterol e taxas reduzidas de cancro.”9 – Diabetes UK

Numa análise de 14 estudos disponíveis, investigadores descobriram que “os vegetarianos tinham 27% menos probabilidades de ter diabetes do que os omnívoros” e que “[v]eganos, em particular, apresentam frequentemente menores probabilidades de ter diabetes quando comparados a outros tipos de vegetarianos”. Mesmo quando apresentam um peso corporal idêntico ao dos consumidores de carne, os veganos parecem ter menos risco de diabetes.10

Saúde Global

Embora os alimentos que consumimos possam ter um enorme impacto na nossa própria saúde, a pecuária tem a capacidade de matar pessoas a uma escala global. Os antibióticos são amplamente utilizados para manter os animais vivos nas condições miseráveis das explorações industriais e – em alguns países – para promover o seu crescimento. Devido ao seu uso excessivo, muitas doenças estão a tornar-se resistentes a alguns antibióticos. A Dra. Margaret Chan, Directora-Geral da Organização Mundial de Saúde, afirmou que “estamos perante uma era pós-antibiótica, em que muitas infecções comuns deixarão de ter cura e, uma vez mais, matarão sem controlo”.11

Há boas notícias

“…uma dieta vegana ou vegetariana bem planeada é saudável, nutricionalmente adequada a todas as fases da vida (lactação, gravidez, infância, adolescência) e para atletas, podendo contribuir para a prevenção e o tratamento de certos tipos de doenças.”12 – American Academy of Nutrition and Dietetics

Na verdade, há óptimas notícias! A nossa genética não é o nosso destino e as mudanças na nossa dieta e estilo de vida podem prevenir as principais causas de morte por doença cardiovascular, acidente vascular cerebral, alguns cancros e diabetes tipo 2. Optar por consumir alimentos à base de plantas é um óptimo ponto de partida. Descobre mais sobre nutrição à base de plantas no nosso Kit de Iniciação ao Veganismo.

Descarrega o Kit

1 ‘Obesity Statistics, Briefing Paper’, Carl Baker, House of Commons library, 20 Jan 2017 [https://researchbriefings.parliament.uk/ResearchBriefing/Summary/SN03336]

2 Turner-McGrievy GM, Barnard ND, Scialli AR. A two-year randomized weight loss trial comparing a vegan diet to a more moderate low-fat diet. Obesity (Silver Spring). 2007 Sep;15(9):2276-81. [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17890496/]

3 Tonstad S, Butler T, Yan R, Fraser GE. Type of Vegetarian Diet, Body Weight, and Prevalence of Type 2 Diabetes. Diabetes Care. 2009;32(5):791-796 [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19351712]

4 ‘The top 10 causes of death’. World Health Organization, J24 May 2018 [https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/the-top-10-causes-of-death]

5 [http://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/healthy-diet]

6 ‘Promoting fruit and vegetable consumption around the world’, World Health Organization [http://www.who.int/dietphysicalactivity/fruit/en/index2.html]

7 ‘Q&A on the carcinogenicity of the consumption of red meat and processed meat’, World Health Organization [http://www.who.int/features/qa/cancer-red-meat/en/]

8 ‘Type 2 diabetes can be reversed in just four months, trial shows’, Sarah Knapton, The Telegraph, 15 Mar 2017 [https://www.telegraph.co.uk/science/2017/03/15/type-2-diabetes-can-reversed-just-four-months-trial-shows/]

9 ‘Vegetarian diets and diabetes’, Diabetes UK [https://www.diabetes.org.uk/guide-to-diabetes/enjoy-food/eating-with-diabetes/vegetarian-diets]

10 Lee Y, Park K. Adherence to a vegetarian diet and diabetes risk: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Nutrients 2017, 9(6), 603 [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5490582/]

11 ‘World Health Day 2011’, World Health Organization [https://www.who.int/mediacentre/news/statements/2011/whd_20110407/en/]

12 Melina, V.; Craig, W.; Levin, S. Position of the academy of nutrition and dietetics: Vegetarian diets. J. Acad. Nutr. Diet. 2016, 116, 1970–1980. [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27886704]

Adopta a dieta vegana durante a Quaresma

Descarrega o Kit