Nunca é tarde demais para se tornar vegano

O período de 40 dias da Quaresma é um momento de autorreflexão para os cristãos, inspirado nos 40 dias em que Jesus teria passado no deserto, preparando-se para o seu ministério. Durante a Quaresma, cristãos são encorajados a fazer serviços para os outros e a abrir mão de algo que geralmente desfrutam para se concentrar em seu desenvolvimento espiritual.

Como líder de 1,2 bilhão de católicos ao redor do mundo e figura inspiracional para muitas pessoas, experimentar o veganismo durante a Quaresma – e, quem sabe, até depois dela! – permitiria que o papa Francisco fizesse uma declaração poderosa sobre como os seres humanos podem lutar para amenizar os problemas ambientais, incluindo mudanças climáticas e desmatamento, reduzir o sofrimento dos animais criados para a produção de comida, abordar a insegurança alimentar global e promover a nossa própria saúde.

No entanto, foram levantadas algumas preocupações sobre se o veganismo é saudável para pessoas mais velhas, como o papa Francisco, que atualmente tem 82 anos. Enquanto opiniões superficiais sobre esse tópico circulam na internet, como sempre, é melhor dar uma olhada em publicações científicas para responder a essa questão.

A Academia de Nutrição e Dietética (maior organização de alimentos e nutrição dos Estados Unidos) é o corpo profissional que representa nutricionistas registrados e outros profissionais de alimentação e nutrição. Seu posicionamento sobre o veganismo, que se baseia em quase 120 referências de literatura científica, claramente afirma que: “Uma alimentação vegetariana ou vegana bem planejada é saudável, nutricionalmente adequada e pode trazer benefícios à saúde para a prevenção e tratamento de certas doenças. Além disso, é apropriado para todos os estágios da vida – incluindo gravidez, lactação, infância, juventude, adolescência, velhice e para atletas”.

E não parece difícil construir uma alimentação vegana bem planejada, de acordo com a Academia de Nutrição e Dietética:

“O consumo de nutrientes por veganos mais velhos parece similar ou melhor do que os dos não-veganos mais velhos”.

Portanto, de acordo com a ciência nutricional mais atualizada, uma alimentação vegana bem construída não só fornece todos os nutrientes que pessoas mais velhas precisam (incluindo proteína, cálcio, ferro e zinco), como também ajuda a prevenir e tratar doenças crônicas às quais nos tornamos mais propensos conforme envelhecemos – como obesidade, doenças cardiovasculares, pressão alta, diabetes tipo 2 e câncer de cólon e próstata.

Por exemplo:

  • De qualquer subgrupo alimentar (vegetarianos, pescetarianos, flexitarianos e onívoros), os veganos são os que têm os menores riscos de se tornarem obesos ou ficarem acima do peso – afinal, adotar o veganismo pode ajudar quem já tem sobrepeso a alcançar um peso saudável para o corpo
  • O veganismo diminui o risco de doenças cardiovasculares, de longe a principal causa de morte em pessoas com mais de 45 anos, e é o único tipo de alimentação que mostrou reverter isso – até mesmo em pessoas que alegavam precisar de pontes aorto-coronárias ou angioplastia.
  • O veganismo reduz a pressão arterial e diminui o colesterol ou qualquer substância relacionada, especialmente as espécies ruins, como o colesterol LDL e a apolipoproteína B.
  • Pessoas que consomem somente alimentos que não sejam de origem animal reduzem pela metade o risco de desenvolver diabetes tipo 2, além de ajudar aqueles que já foram diagnosticados com a doença – de forma que muitos consigam administrar melhor sua condição, ou até mesmo revertê-la.
  •   Veganos têm riscos menores de desenvolver qualquer tipo de câncer, sendo que homens brancos veganos têm 35% menos chances de adquirir câncer de próstata.

Até mesmo dores crônicas na lombar, como a dor ciática que atormenta o papa Francisco, pode ser prevenida e tratada com o veganismo.

Tudo bem, mas como?

Quando comemos produtos de origem animal, a placa aterosclerótica – uma mistura de gordura, colesterol, cálcio e outras substâncias encontradas no sangue – se acumula no revestimento interno de nossos vasos sanguíneos. Com o tempo, esse acúmulo estreita e endurece as artérias, causando uma condição chamada de aterosclerose.

A aterosclerose resulta na redução do fluxo sanguíneo para tecidos jusantes à placa. Dependendo de sua localização, uma pessoa pode sofrer diferentes sintomas, como quando as artérias que suprem o coração são afetadas pela aterosclerose, angina (dor no peito causada por esforço ou estresse) e ataques cardíacos.

Quando em artérias que suprem o cérebro, a condição pode resultar em um declínio cognitivo, ataques isquêmicos transitórios e derrame cerebral.

Já a doença vascular periférica é resultado da aterosclerose nos vasos sanguíneos fora do coração e do cérebro. Ela causa dores e fadigas – especialmente durante exercícios – nas pernas e braços, e também pode afetar os rins, estômago e intestinos.

Disfunção erétil ou impotência sexual ocorre quando as artérias que suprem o pênis estão obstruídas (parcialmente ou completamente bloqueadas) pela placa aterosclerose.

E finalmente, a placa aterosclerose que bloqueia a espinha arterial causa degeneração e, eventualmente, hérnia de disco, que absorve choque entre cada vértebra em nossa espinha, bem como danos aos nervos espinhais. Discos e nervos espinhais danificados levam à ciática – um tipo grave de lombalgia e dor nas pernas que pode ocorrer em qualquer lugar ao longo do curso do nervo ciático, da coluna lombar até o pé. Pessoas com níveis mais elevados do colesterol sérico – fortemente ligado à ingestão de produtos de origem animal – têm riscos maiores de sofrer de dores nas costas de hérnia de disco. E aqueles que têm as artérias parcialmente ou completamente entupidas pela aterosclerose têm 8x mais chances de sofrer de dor crônica na lombar, que é agora uma das principais causas de invalidez no mundo ocidental.

Como você pode ver, pessoas mais velhas podem colher vários benefícios do veganismo. Mas há algum risco?

Vamos dar uma olhada!

A capacidade de absorver vitamina B12 diminui com a idade, devido a uma condição chamada ‘gastrite atrófica’, que afeta entre 10% e 30% dos idosos. Consequentemente, o Instituto de Medicina dos Estados Unidos recomenda que todos acima de 50 anos tomem suplementos de vitamina B12. Esse suplemento é essencial para qualquer pessoa que adere ao veganismo e pessoas mais velhas podem precisar de doses maiores do que jovens.

À medida que envelhecemos, nossa necessidade de energia diminui, enquanto nossa necessidade de micronutrientes como vitaminas, minerais e antioxidantes aumenta. É vital que idosos escolham alimentos vegetais densos em nutrientes, como vegetais de folhas verdes, outros vegetais coloridos, frutas, legumes, cereais integrais, com uma ingestão moderada de nozes e sementes, em vez de apostar em alimentos com pouca densidade de nutrientes, como pães e massas.

Pessoas mais velhas geralmente tomam diversas medicações para condições como pressão alta, diabetes e hipotireoidismo. Uma dieta vegana pode reduzir a necessidade de muitos desses remédios, e pode até tornar alguns deles inúteis. Idosos devem informar seus médicos sobre a sua mudança na alimentação para que sejam cuidadosamente monitorados e para ajustar a dosagem de seus medicamentos, de forma a evitar uma pressão arterial extremamente baixa, hipoglicemia, sintomas do hipertireoidismo e outras consequências adversas da medicação excessiva.

O aumento repentino de fibras de alimentos vegetais não processados – especialmente leguminosas (feijão, ervilhas, lentilhas), que são fontes importantes de proteína e micronutrientes para os veganos – pode causar inchaço e desconforto abdominal, especialmente naqueles que vêm comendo uma alimentação com poucas fibras por décadas. Aumentar gradualmente o consumo de alimentos ricos em fibras podem prevenir esses efeitos, pois permite que a microbiota intestinal, que desempenha um grande papel no manuseio de fibras e outros carboidratos indigeríveis dos vegetais, tenha tempo para se ajustar à mudança nos hábitos alimentares.

Evitar o consumo de produtos de origem animal traz muitos benefícios à saúde em qualquer idade e, ao experimentar o veganismo nesta Quaresma, você estará “abrindo mão” apenas da crueldade animal e de riscos maiores de problemas de saúde! Se você ainda não sabe por onde começar, faça o download do nosso Guia de Veganismo para Iniciantes.

BAIXE NOSSO GUIA

 

Experimente o veganismo

BAIXE NOSSO GUIA